4 plantas tônicas para combater a astenia primaveril

4 plantas tônicas para combater a astenia primaveril

Rate this post

Quando aponta a primavera não deixa de ser frequente que ocorra uma sensação geral de saúde e cansaço, conhecida como astenia primaveril.

Talvez seja exagero considerá-la um transtorno, mas é verdade que pode vir a alterar o seu ritmo normal de vida.

Talvez pôde reconhecer algum destes sintomas de astenia primaveril: fadiga indevida, cansaço das pernas, sonolência, falta de apetite, irritabilidade, falta de concentração, desmotivação…

A mudança de tempo e clima podem estar na base de uma diminuição na produção de endorfinas, os hormônios do bem-estar.

Junto a conselhos de puro senso comum, como dormir bem, fazer exercício físico moderado, dedicar-se a atividades prazerosas, hidratarte e não medicarte, sem justificação, a fitoterapia oferece um bom complemento.

Adeus cansaço

Alguns dos remédios que oferecem os naturais em frente à astenia primaveril obtêm o seu efeito tônico da vitamina C. Outros de seu poder adaptógeno, isto é, a sua capacidade para ajudar o organismo a se adaptar a situações que representam um estresse.

1. Roseira silvestre

Os frutos da roseira brava (Rosa canina) são especialmente ricos em vitamina C, e úteis como suplementação natural para aliviar os sintomas.

Você pode tomá-los em decocção (30 g por litro de água) ou em forma de xarope ou extrato líquido.

2. Espinheiro

Outro dos frutos ricos em vitamina C são os do espinheiro (Hippophae rhamnoides), um arbolito comum na Europa ocidental e presente nos Pirenéus de aragão. É ideal para combater a fraqueza e a fadiga.

Toma os frutos frescos recém-coletados ou desidratados, em infusão. Ou, melhor ainda, em xarope, 3 colheres de sopa diárias.

3. Rodiola

Outras plantas são eficazes na primavera por sua capacidade adaptógena, ou seja, ajudam o organismo a se adaptar ao estresse e situações exigentes.

Entre elas, destaca-se a rodiola (Sedum rosea), uma planta nórdica, que você pode encontrar também nos Pirinéus.

Combate a fraqueza e a fadiga, melhora a concentração e a resistência.

Usa-Se a raiz em decocção, misturado com a sálvia, hortelã e alecrim, dois copos por dia, ou em cápsulas ou comprimidos.

4. Chá verde

Café e chá têm sido e continuam a ser os dois principais estimulantes naturais a que se recorre para ser ativada.

Escolher variedades como o chá verde (Camellia sinensis) é uma boa opção.

Junto à cafeína e teína, que contém em menor proporção do que o café, traz valiosos antioxidantes e apresenta um leve efeito estimulante, útil para combater a fadiga psicofísica.

Preparam-Se as folhas em infusão, com limão e menta, quente ou fria, não mais de duas xícaras ao dia.